01/01/2012

Pequenos momentos… grandes significados… preciosos tesouros!

Por Melissa Bergonso
 
Baú de tesouroA vida é feita de pequenas coisas e pequenos momentos, com grandes significados. Tem gente que espera que a vida seja um “alto empreendimento”, cheio de grandes eventos, de luzes, brilho, adulações. Outros gastam a vida inteira buscando fazer algo grande, notório. Porém, o que realmente nos faz felizes são os pequenos momentos, que muitas vezes contêm nossos maiores tesouros!
 
 
Meus momentos de ouro puro!
 
I. Madrinha de Batismo
 
Posso dizer que minha vida teve pelo menos dois momentos feitos de ouro puro. Ano passado, um deles foi quando eu e meu marido recebemos o convite de um casal de amigos queridos da Igreja para sermos padrinhos de batismo do seu filhinho que iria nascer. Fiquei tão feliz por ter sido “escolhida” para ser madrinha do bebezinho deles que palavras não são capazes de descrever a felicidade que senti. As fotos do batizado do meu afilhado podem ser conferidas no post “Uma pequena obra: um mandrião para meu primeiro afilhado!”.
 
Muitas pessoas adiam o batismo dos seus filhos por meses, às vezes por anos!! Mas somente nos tornamos filhos de Deus e herdeiros do Reino dos Céus depois que somos batizados, e é somente através do batismo que podemos ser salvos. Como diz Santo Tomás de Aquino[1]:
 
Os homens estão obrigados a usar os meios sem os quais não podem conseguir a salvação. Ora, é óbvio que ninguém pode obter a salvação, senão por Cristo, como diz o Apóstolo: “Assim como pela falta de um só sucedeu para todos os homens a condenação, assim pela obra de justiça de um só sucede para todos os homens a justificação que dá a vida”. Ora, o batismo é dado para que, nascidos de novo por ele, nos incorporemos a Cristo tornando-nos membros seus. É o que diz a Epístola aos Gálatas: “Vós todos que fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo”. É, pois, claro que todos são obrigados ao batismo e sem ele não pode haver salvação para os homens.
 
A missão e tarefa dos padrinhos de batismo não são menos importantes do que a dos pais. Os padrinhos se tornam, para o batizando, seus segundos pais e têm a tarefa de nutri-lo na fé e na vida cristã, sendo, portanto, encarregados de sua salvação. É por este motivo que não pode ser padrinho/madrinha de batismo qualquer pessoa, de qualquer índole de vida ou de qualquer “religião”. Ensina Santo Tomás de Aquino[2]:
 
O novo nascimento espiritual realizado no batismo é comparável à geração carnal. Por isso, diz a primeira Carta de Pedro: “Como crianças recém-nascidas, desejai o leite puro da palavra”. Mas na geração carnal o pequenino recém-nascido precisa da nutriz e do preceptor. Portanto, também na geração espiritual do batismo requer-se alguém que exerça a função de nutriz e preceptor, informando e instruindo o noviço  na fé sobre o que diz respeito à fé e à vida cristã. Os responsáveis pela Igreja não podem dedicar-se a essa tarefa por estarem ocupados com o cuidado comum do povo, enquanto os pequenos e os neófitos exigem um cuidado especial, além do comum. Por isso, requer-se que alguém receba o batizado da pia batismal para sua instrução e tutela. É o que diz Dionísio: “Ocorreu a nossos divinos chefes, os apóstolos, e pareceu-lhes bem acolher as crianças sob a condição de que seus pais as entreguem a algum preceptor versado nas coisas divinas, para que a criança viva sob seus cuidados, como sob os cuidados de um pai espiritual encarregado de sua santa salvação”.
 
 
II. Madrinha de Crisma
 
Meu outro momento de ouro puro foi ontem. Recebi o telefonema de uma criança encantadora, Teresa, filha de uma grande e querida amiga minha, perguntando se eu poderia ser sua madrinha de crisma. Fiquei muito feliz e emocionada com o convite, especialmente porque veio de uma criança! Existem coisas que realmente o dinheiro não compra e que palavras definitivamente não exprimem!!
 
Embora muita gente ignore ou não se dê conta, ser madrinha/padrinho de crisma é coisa séria! Preparar uma alma para combater por Nosso Senhor é uma missão muito honrosa! O Sacramento do Crisma torna o cristão batizado um soldado de Cristo, conferindo a ele a “perfeição da idade espiritual”. Seu padrinho/madrinha se torna seu “instrutor”, e é responsável por ensiná-lo a combater por Jesus Cristo. Eis o que diz Santo Tomás de Aquino[3]:
 
Confere-se este sacramento para transmitir fortalecimento no combate espiritual. Assim como alguém nascido de novo precisa de um educador que o ensine como comportar-se na vida: “Tivemos como educadores nossos pais terrenos e lucramos disso um bom proveito”, como está na Carta aos Hebreus, assim também quem é recebido para o combate, precisa de um instrutor que o instrua no modo de lutar. Para isso se instituem, nas guerras materiais, generais e centuriões que comandem os demais. Assim também, quem recebe este sacramento é segurado por outro, que deve como que exercitá-lo para o combate.
 
Semelhantemente, porque este sacramento confere ao homem a perfeição da idade espiritual, quem se aproxima para recebê-lo deve ser sustentado, como se ainda fosse espiritualmente uma débil criança.
 
 
Considerações finais
 
Enquanto os padrinhos de batismo são responsáveis pela nutrição espiritual do seu afilhado, os padrinhos de crisma são encarregados de prepará-los no combate da vida cristã. Ambas são belíssimas missões e grandíssimas responsabilidades que devem ser assumidas com muita dedicação e temor do Senhor.
 
Espero poder cumprir a Missão de ser madrinha de Batismo do Inácio e de Crisma da Teresa com muito esmero! Que Deus me ajude e que Nossa Senhora me auxilie para que eu possa ser uma madrinha exemplar, solícita e sempre presente na vida destes dois pequenos grandes tesouros que ganhei!
 
---------------
[1] Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, III, q. 68, a. 1, co.
[2] Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, III, q. 67, a. 8, co.
[3] Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, III, q. 72, a. 10, co.
 

Este artigo foi originalmente publicado no Mulher Católica. Se você estiver lendo-o em outro blog ou site, trata-se de plágio e de violação dos direitos autorais. Por favor, entre em contato e comunique-me. Obrigada.

2 comentários:

  1. Salve Maria!

    Ah, que lindo ser madrinha, não é verdade? E é muita responsabilidade, eu tenho um afilhado também, infelizmente quando o batizei não sabia da responsabilidade, eu mal entendia qual era a finalidade e hoje a mãe dele é protestante e eu não sei muito como agir diante desta situação, mas agora rezo muito mais pelo meu afilhado, acho que é o melhor que poso fazer...

    Fiquei realmente feliz pelos seus momentos de ouro, me alegrei junto contigo, poder participar da entrada desta criança na Igreja de Cristo realmente é uma felicidade que só Deus pode nos dar!

    Fique com Deus

    ResponderExcluir
  2. Oi, Débora!

    Bom, hoje você conhece sua responsabilidade como "mãe" espiritual. Você tem não somente o direito como também tem o dever de educar essa criança na fé católica. Peça a Deus que lhe ajude nessa missão, creio que o embate entre a fé católica e o protestantismo não será fácil, mas com a ajuda e graça de Deus ela será possível. Que Nossa Senhora possa tornar sua missão mais suave. Ela, como Mãe, saberá como lhe auxiliar.

    Obrigada :D Realmente essa alegria e felicidade só vem de Deus mesmo!!

    Fica com Deus! Salve Maria!

    ResponderExcluir

Olá, seja bem-vindo(a)! Este blog é moderado. Por questões de ordem prática e também porque meu tempo é precioso, não publicarei comentários ofensivos à minha pessoa, nem a qualquer outra. Se porventura você comentou educadamente e seu comentário não foi publicado, provavelmente ele se enquadrou em alguma das restrições da Política de Comentários deste blog. Leia-o com atenção antes de comentar. Obrigada pela compreensão. Salve Maria!